Translate

sábado, 26 de fevereiro de 2011

MEU FILHO, ENTÃO MORRA, MORRA.

PARA RIR UM POUQUINHO. KKKK
APÓS O PREFEITO DE MANAUS/AM, AMAZONINO MENDES, TER OFENDIDO UMA SENHORA, POBRE, EMPREGADA DOMÉSTICA E PARAENSE, O QUE FOI NOTÍCIA EM TODOS O BRASIL, NÃO REFLETINDÓ, É CLARO, O QUE PENSAM AS PESSOAS DE BEM DO VIZINHO ESTADO DO AMAZONAS SOBRE NÓS PARAENSES, VEM ESSA CHARGE BEM HUMORADA DO CARTUNISTA ATORRES, ESTAMPADA NAS PÁGINAS DO JORNAL O DIÁRIO DO PARÁ.
O PAYSANDU FOI NO TERRITÓRIO DO PENAROL E ARRANCOU ÓTIMO RESULTADO, VENCENDO POR 3X2 E FICANDO EM ÓTIMA POSIÇÃO NA PRIMEIRA RODADA DA COPA DO BRASIL, VERSÃO 2011. AGORA SERÁ A VEZ DA EQUIPE BARÉ JOGAR NO CALDEIRÃO BICOLOR, A LA BOMBONERA PARAENSE.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

CONCURSADOS SERÃO CHAMADOS. UFA!

Reunião

19/02/2011 18:07:00
 
Secretaria deve nomear pelo menos 500 professores.
Na tarde de ontem, em reunião com representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, o secretário de Educação Nilson Pinto anunciou que nos próximos meses a Secretaria deve nomear pelo menos 500 professores concursados.

Essa foi a principal notícia dada à comissão formada por integrantes do Sintepp e da Associação dos Concursados do Pará (Asconpa). Participaram ainda Waldecir Oliveira, secretário adjunto de Gestão e Maria José Brígido, coordenadora de Recurso Humanos da Secretaria.

Apesar do presidente da Asconpa, José Emílio Almeida, insistir na definição de prazo para o chamamento de novos concursados, principalmente na função de técnico em educação do concurso C-125, o secretário Nilson Pinto enfatizou que “deve haver a compatibilidade entre necessidade de contratação e a capacidade financeira do Estado”. “Não adianta contratar e não poder pagar”, disse ainda o titular da Seduc.

Emílio Almeida destacou a atenção da atual administração da Seduc para os concursados. “Na gestão anterior não éramos recebidos pelos secretários, mas por outros servidores. E só éramos recebidos quando fechávamos ruas”, analisou.

A questão dos temporários também foi debatida. Nilson Pinto garantiu aos profissionais que os concursados são prioridades da atual gestão, mas dependendo da necessidade e “das situações excepcionais”, temporários poderão ser chamados. “A lei não considera o temporário ilegal, desde que seja considerada a questão legal”.

O secretário adjunto de gestão Waldecir Oliveira explicou que a partir de agora a lotação dos professores com atuação no Ensino Modular obedecerá as 200 horas e não mais a variação de 240 horas ou 280 horas. Com isso, a Seduc poderá chamar novos concursados. Ao mesmo tempo, um levantamento está sendo realizado junto às Unidades Regionais de Ensino (UREs). “Não tínhamos parâmetro, estávamos no 'escuro'. Agora teremos um melhor controle no sistema e um acompanhamento on line”, destacou Waldecir. As horas que restarem serão preenchidas por novos concursados. A intenção da Seduc é retirar todos os temporários.

Disfunção de atividade e a necessidade de cargos também foram assuntos tratados na reunião. Maria José Brígido reiterou a impossibilidade de definir prazos para o anúncio de novas convocações de concursados, seja de professores, técnicos em gestão e técnico em educação. “Estamos fazendo um levantamento da real necessidade de profissionais e aí repassaremos os dados à Sead e Sepof e só então teremos a ideia do tempo do chamamento”, informou a coordenadora do RH.

Texto: Sérgio Chêne
Fotos: Adauto Rodrigues
Ascom/Seduc 
 ACESSE: http://www.seduc.pa.gov.br/portal/?action=Destaque.show&iddestaque=980&idareainteresse=1

sábado, 19 de fevereiro de 2011

MEC sugere não reprovar aluno nos três primeiros anos do Fundamental

Especialistas acham que a aprovação automática funciona. Críticos defendem uma avaliação para que o aluno tenha melhor rendimento.

Não é lei. Apenas uma recomendação, mas tem provocado muita discussão nas escolas de todo o Brasil. Governos, professores, pais e mães avaliam se reprovar os alunos nos primeiros anos do Ensino Fundamental é eficaz.
As últimas pesquisas mostram que a evasão escolar – quando a criança sai e não volta mais para a escola – tem aumentado nos primeiros anos de estudo. A aprovação automática ainda divide opiniões. Nessa discussão toda, só existe um consenso: as crianças precisam aprender. O desafio é o que fazer para que elas aprendam. Não reprová-las nos primeiros anos? Alguns educadores e o Ministério da Educação acham que esse pode ser o caminho.
O governo lembra que pesquisas mostram que os alunos que mais abandonam as escolas, desistem de estudar e de aprender são os reprovados nos primeiros anos do Ensino Fundamental. Agora, a decisão sobre o novo sistema vai ser mesmo das escolas, que podem ou não continuar reprovando os alunos.
Irmãos gêmeos, Felipe e Isabela estudam na mesma sala. Aos 6 anos, eles aprenderam a ler e já perceberam que, apesar das semelhanças, cada um tem um ritmo próprio. “Eu leio mais rápido e ele tem dificuldade”, comenta a menina.
Eles estão alfabetizados. Outros colegas vão precisar de mais algum tempo. O aluno que termina o 1º ou o 2º ano do Ensino Fundamental, com 6 ou 7 anos, e ainda tem alguma dificuldade para ler ou escrever precisa repetir a série para aprender? O Ministério da Educação acha que não e recomenda o fim da reprovação nessa fase.
Na década de 1980, de cada 100 crianças 40 repetiam já no primeiro ano. O último levantamento mostra que em 2009 a taxa ficou em 5%, mas o MEC considera muito e quer aprovar todos. A proposta é criar o ciclo de alfabetização em três anos. No segundo ano, o estudante faz uma prova do MEC. Com ela, o professor identifica dificuldades e, se for o caso, define atividades de reforço. No meio do caminho, ninguém perde o ano.
“Nenhuma criança pode terminar o 3º ano sem estar plenamente alfabetizada. As pesquisas mostram que a grande responsável pelo fracasso escolar é a reprovação. Quanto mais precoce a reprovação, maior será o fracasso”, avalia Maria do Pilar Lacerda, secretária de educação básica do Ministério da Educação.

 Maria do Pilar Lacerda - MEC
O atraso escolar também seria combatido. Dados do IBGE revelam que, em 2009, só 63% dos alunos concluíram o Ensino Fundamental em dia ou com, no máximo, um ano de atraso. Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais e o Distrito Federal já adotaram a medida. Acham que a reprovação no começo da vida escolar só traz prejuízo aos alunos.
“Não faz sentido que uma criança, ao final de um ano, por não ter completado o processo de alfabetização seja obrigada a voltar da estaca zero, como se nada tivesse aprendido no ano anterior”, defende Erasto Fortes, secretário-adjunto de Educação do Distrito Federal.
Professores dizem que a proposta do MEC, em tese, é boa, mas argumentam que falta estrutura para colocá-la em prática.
“Os professores que têm as classes super lotadas, por exemplo, não têm os espaços necessários para que essas crianças possam participar de atividades que visem superar as dificuldades que elas têm”, afirma Roberto Franklin de Leão, representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.
“Reprovar é um último recurso extremo. Agora, não é aprovar automaticamente. É garantir que o aluno aprenda. O sistema tem de funcionar acompanhando, avaliando e corrigindo”, observa Ruben Klein, consultor da Fundação Cesgranrio.
A pedagoga Leda Gonçalves de Freitas, da Universidade Católica de Brasília, argumenta que o aluno ó será mesmo alfabetizado no final do ciclo de três anos, como quer o MEC, se houver mudanças em todo o sistema de ensino.
“Nós temos de pensar o conteúdo desse ciclo e o que fazer nesses três anos para que o aluno efetivamente seja aprovado. Se não construirmos essas condições, você só estará adiando um processo de reprovação”, disse a pedagoga.
O Ministério da Educação informou que está investindo também na qualificação de professores, mas escolas superlotadas, professores sem tempo para planejar as aulas, enfim, condições ruins não ajudam nem um pouco na formação dos alunos e desanimam até.
FONTE: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2011/02/mec-sugere-nao-reprovar-aluno-nos-tres-primeiros-anos-do-fundamental.html

ANO INTERNACIONAL DAS FLORESTAS – 2011 - VAMOS ACOMPANHAR.

Em 2010 comemoramos o Ano Internacional da Biodiversidade, que contou com diversos eventos, inclusive um deles abordado aqui no blog a COP -10 (a décima Conferência das Partes que tratou sobre a Convenção sobre a Diversidade Biológica – que como já sabemos não deu em muita coisa). Já 2011 será o Ano Internacional das Florestas.
A data e o tema são iniciativas aprovadas pela Assembléia Geral das Nações Unidas, que tem como principal objetivo esclarecer para todos a importância das florestas e de seu manejo sustentável na redução da pobreza. A programação contará com atividades internacionais, coordenadas pelo Fórum de Florestas (UNFF) e organizações da ONU, além de eventos nacionais.
Segundo documento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), para facilitar a realização dos objetivos deste Ano Internacional, o secretariado do “Fórum das Nações Unidas sobre as Florestas” propõe as seguintes atividades difusoras:
1.Logotipo do Ano Internacional das Florestas – 2011: O logotipo oficial foi idealizado por designers gráficos e desenvolvido em colaboração com o Departamento de Informação Pública da Secretaria Geral. Recebeu aprovação do Conselho de Publicações das Nações Unidas, tendo sido apresentado publicamente em todos os idiomas oficiais da Organização. Tem como tema “Florestas para o povo“, exaltando o papel das pessoas na gestão, conservação e exploração sustentável das florestas do mundo.
2. Site do Ano Internacional das Florestas – 2011: O site fornecerá uma plataforma on-line a todas as informações relativas ao Ano.
3. Porta-vozes ou mensageiros das florestas: Pessoas que ocupem lugares de liderança nas comunidades foram selecionadas para atrair a atenção da mídia, dando maior visibilidade à causa das florestas, sensibilizando para aumentar o apoio da população a essa causa.
4. Coleção de selos sobre o Ano Internacional das Florestas – 2011: Foi desenvolvida uma coleção de selos comemorativos para colaborar com a “Secretaria do Fórum das Nações Unidas sobre as Florestas”. Esta coleção será apresentada na inauguração oficial do Ano Internacional das Florestas, nos dias 2 e 3 de fevereiro de 2011, em Nova Iorque.
5. Concursos Artísticos, Cinematográficos e de Fotografia: Organização de eventos on-line para homenagear aqueles que expressem através das artes plásticas, fotografias, filmes e curtas-metragens a idéia de que as florestas são para o povo.
6. Anúncios de interesse público e curta-metragens promocionais: Existe a produção de um curta-metragem e alguns anúncios de interesse público que serão distribuídos em todo o mundo em diversos idiomas, a serem transmitidos pela televisão e outras mídias, incluindo espetáculos teatrais gratuitos em que se possa transmitir idéias e fomentar ações em prol das florestas.
7. Diversidade biológica das florestas: Em colaboração com a “Secretaria da Convenção sobre a Diversidade Biológica” estuda os âmbitos em que possa haver sinergia entre o Ano Internacional da Biodiversidade, 2010 e Ano Internacional das Florestas – 2011. Entre as atividades se incluiu a organização de um “ato de ligação dos Anos” que fará parte da cerimônia de encerramento do Ano Internacional da Biodiversidade, que será realizada em dezembro de 2010, no Japão.
8. Zonas Úmidas e Florestas: A Convenção de Ramsar[1] escolheu o lema “Os pântanos e florestas” Dia Mundial das Zonas Úmidas para 2011 em homenagem ao Ano Internacional das Florestas. “A Secretaria do Fórum das Nações Unidas sobre Florestas” colabora atualmente com a “Secretaria da Convenção Ramsar” para a produção de um documento sobre as zonas úmidas e florestas para o Dia Mundial das Zonas Úmidas 2011.

Comemorações
Na Alemanha, o Ano das Florestas 2011 será organizado por autoridades florestais federais e estaduais, e pelo Ministério da Alimentação, Agricultura e Defesa do Consumidor (BMELV). Já em Portugal a comemoração será coordenada pelo Secretário de Estado das Florestas, Rui Barreiro. No Brasil ainda não saiu um calendário com a comemoração.

FONTE: http://essetalmeioambiente.com/?p=3800

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Governo venceu com folga sua primeira batalha na Câmara Federal

17 de fevereiro de 2011 às 10:30h

A presidenta Dilma Rousseff venceu sua primeira grande batalha no Congresso Nacional. No fim da noite desta quarta-feira 16, a Câmara dos Deputados aprovou a proposta do governo de aumentar o salário mínimo para 545 reais. A base governista conseguiu derrotar com facilidade os destaques apresentados pelo DEM, com apoio das centrais sindicais,  – de 560 reais -, e aquele do PSDB, em defesa dos 600 reais.
Na votação da emenda do PSDB, 106 deputados votaram a favor e 376 contra, com 7 abstenções. Já a emenda que propunha os 560 reais, obteve 120 votos a favor, 361 contra e 11 abstenções. A proposta do governo foi aprovada pela maioria em votação simbólica.
Da base de apoio ao governo, votaram na proposta de 560 reais, 2 deputados do PT, 9 do PDT, 1 do PTB ,2 do bloco PR,PRB,PT do B, PRTB,PRP,PHS,PTC e PSL e mais 2 do bloco PP, PSC e PMN.
A grande expectativa anterior a votação era a respeito do comportamento que seria adotado pela bancada de 26 deputados do PDT. O partido, apesar de partipar do governo, exatamente na pasta do Trabalho, com o ministro Carlos Lupi, defendia a proposta de 560 reais. Foi apenas às vésperas do início da sessão da Câmara que o partido decidiu liberar seus parlamentares para a votação. Deles, apenas 9 acabaram votando contra o governo, liderados pelo deputado Paulo Pereira da Silva, líder da Força Sindical.
A Força foi a única das centrais a marcar presença nas galerias da Câmara, com cartazes e bandeiras em apoio à emenda da oposição.

A sessão começou no início da tarde, com a leitura da proposta do governo pelo relator, deputado Vicentinho (PT-SP). Ex-presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), ele defendeu o valor desejado pelo governo e foi vaiado pelos militantes da Força. Irritado, defendeu-se após deixar a tribuna: “A CUT não está lá. Estas outras centrais nunca me apoiaram pra nada mesmo. Meu compromisso é com o trabalhador”.
Ainda antes da votação, o vice-presidente, Michel Temer, reuniu-se com líderes de seu partido, o PMDB, e fez um apelo à bancada para que votasse a favor dos 545 reais: “Nós temos uma posição agora unitária a favor. Podemos ter lá na frente uma posição unitária contra. Mas temos que ter sempre unidade absoluta. Isso dá poder e força política ao partido e à bancada”.
O resultado das negociações: maioria a favor da proposta do governo, confirmando a previsão de aprovar “com folga” o novo valor do mínimo. O aumento para 545 reais começa a valer já no próximo mês.
A proposta aprovada também prevê a manutenção da atual política de reajuste até 2015. Ela estabelece que os reajustes poderão ser feitos através de decreto presidencial, sem votação no Congresso. O aumento terá como base a inflação do ano anterior, mais o índice de crescimento econômico dos dois anos anteriores.

FONTE: CARTA CAPITAL
http://www.cartacapital.com.br/politica/camara-aprova-salario-minimo-de-545-reais 

GOVERNO CONCLUI EM MARÇO CRONOGRAMA DE NOMEAÇÕES

17/02/2011 22:15
Da Redação
Agência Pará de Notícias
A secretária de Administração, Alice Viana, afirmou que o governo está elaborando um cronograma para a nomeação dos concursados do Estado.

Até o final de março o governo concluirá o cronograma de nomeação dos profissionais aprovados nos vários concursos realizados pelo Estado, informou a secretária de Estado de Administração, Alice Viana Monteiro, na manhã desta quinta-feira (17), durante reunião com o presidente da Associação dos Concursados do Pará (Ascon-PA), José Emílio Almeida, e uma comissão formada por aprovados em concursos públicos.
ASCOM - SEAD
LEIA MAIS EM: http://www.pa.gov.br/noticia_interna.asp?id_ver=72238 

BLOG DO PROFESSOR JC

INICIANDO UMA CAMINHADA DE INFORMAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO, POLÍTICA, MEIO AMBIENTE E CURIOSIDADES.
UM ABRAÇO!
Prof. Esp. João Carlos Lima de Souza